Blog

9 outubro 2016

A Psicomotricidade entre o sucesso e o fracasso escolar

A dificuldade acarreta sofrimentos e nenhum aluno apresenta baixo rendimento por vontade própria.

Cabe ao professor identificar as dificuldades do aluno buscando formas de auxiliá-lo.

 

Você sabia que a psicomotricidade está presente em todas as atividades que desenvolvem a motricidade das crianças e se constitui como a base fundamental para o processo de aprendizagem?

 

A psicomotricidade, em sua ação educativa, pretende atingir a organização psicomotora da noção do corpo como marco espaço temporal do “eu” (entendido como unidade psicossomática). Esse marco é fundamental ao processo de conduta ou de aprendizagem, pois busca conhecer o corpo nas suas múltiplas relações: perceptiva, simbólica e conceitual, que constituem um esquema representacional e uma vivência indispensável à integração, à elaboração e à expressão de qualquer ato ou gesto intencional.

 

Psicomotricidade é um termo empregado para uma concepção de movimento organizado e integrado, em função das experiências vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua linguagem e sua socialização.

 

A psicomotricidade permite ao homem sentir-se bem com sua realidade corporal,  possibilitando-lhe a livre expressão de seus sentimentos, pensamentos,  conceitos, ideologias. Mesmo que a psicomotricidade assuma grande importância na resolução de problemas encontrados em sala de aula, ela necessariamente não  é única solução para as dificuldades de aprendizagem, mas sim o meio de auxiliar a criança a superar os obstáculos e prevenir possíveis inadaptações.

 

Sendo assim, instituições de ensino buscam oportunizar, às crianças, condições de desenvolverem capacidades básicas e aumentar seu potencial motor, utilizando o movimento para atingir aquisições mais elaboradas, assim como as intelectuais e também sanar as dificuldades apresentadas pelos alunos.

 

De nada adianta o professor conhecer a brincadeira ou o jogo psicomotor, se não souber aplicá-lo com significados no processo de ensino e aprendizagem.

 

O professor precisa ter muito claro qual o caminho a seguir, quais as necessidades de seus alunos naquela etapa do desenvolvimento em que se encontram e o que pretende alcançar com a realização de determinada atividade, ou melhor, se sua proposta de trabalho está realmente de acordo com as necessidades daquele  grupo.

 

 

O professor precisa ter muito claro qual o caminho a seguir, quais as necessidades de seus alunos naquela etapa do desenvolvimento em que se encontram e o que pretende alcançar com a realização de determinada atividade, ou melhor, se sua proposta de trabalho está realmente de acordo com as necessidades daquele  grupo.

 

Existem alguns pré-requisitos, do ponto de vista psicomotor, para que uma criança tenha uma aprendizagem significativa em sala de aula. É necessário que, como condição mínima, ela possua um bom domínio do gesto e do instrumento, isso significa que precisará usar as mãos para escrever e, portanto, deverá ter uma boa coordenação fina. Ela terá mais habilidade para manipular os objetos de sala de aula, como lápis, borracha, régua, se estiver ciente de suas mãos como parte de seu corpo e tiver desenvolvido padrões específicos de movimentos.

 

Uma boa orientação espacial poderá capacitá-la a orientar-se no meio com desenvoltura. Do movimento que transcorre surgem às noções de tempo, duração de intervalos, sequência, ordenação e ritmo. Outro elemento importante, também como pré-requisito para uma boa aprendizagem, é a acuidade auditiva e visual, mas só é possível propiciar estes estímulos se eles estiverem integrados e bem orientados.

 

O aluno, ao perceber que tem dificuldades em sua aprendizagem, muitas vezes começa a apresentar desinteresse,  irresponsabilidade, agressividade, hiperatividade, baixo nível de atenção, dificuldade para seguir instruções, imaturidade  social, dificuldade com a conversação, inflexibilidade, fraco planejamento e habilidades organizacionais, distração, falta de destreza, falta de controle dos impulsos, entre outros. 

 

psicomotricidade infantil, como estimulação aos movimentos da criança, tem como meta:

 

1) Motivar a capacidade sensitiva através das sensações e relações entre o corpo e o exterior (o outro e as coisas);

2) Cultivar a capacidade perceptiva através do conhecimento dos movimentos e da resposta corporal;

3) Organizar a capacidade dos movimentos representados ou expressos através de sinais, símbolos, e da utilização de objetos reais e imaginários;

4) Fazer com que as crianças possam descobrir e expressar suas capacidades, através da ação criativa e da expressão da emoção;

5) Ampliar e valorizar a identidade própria e a autoestima dentro da pluralidade grupal;

6) Criar segurança e expressar-se através de diversas formas como um ser valioso, único e exclusivo e uma consciência e um respeito à presença e ao espaço dos demais.

 

Com o trabalho adequado da psicomotricidade em sala de aula e com o auxilio e dedicação do educador poderá amenizar as dificuldades de aprendizagem presenciadas pelos educandos, diminuindo o fracasso escolar, contribuindo para uma educação de qualidade.

 

Fonte: ROSSI (2012)

 

Posts Populares